Verificação da Qualidade de Cinco Marcas de Camomila (Matricaria Recutita L.) na Cidade de Itabira – MG

Pereira, K. A. F. H. ; Moura, m. z. d.  & Torres, e. c.

Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira, Rodovia MG 03 – Córrego Seco – Bairro Areão – Itabira – MG

RESUMO: Devido à sua importância terapêutica, Matricaria recutita L., popularmente conhecida como camomila, é uma das plantas mais utilizadas na medicina popular. Este trabalho teve como objetivo verificar a qualidade de diferentes marcas de camomila comercializadas na cidade de Itabira, MG. Cinco marcas de camomila de diferentes fabricantes foram adquiridas em drogarias, farmácias e ervanarias de Itabira, MG. De acordo com a monografia oficial do fármaco, Farmacopéia Brasileira, IV, procedeu-se à caracterização organoléptica, identificação macroscópica e microscópica, determinação de matéria orgânica estranha, teor de umidade e cinzas totais. Todas as cinco marcas apresentaram características organolépticas, macroscópicas e microscópicas correspondentes a capítulos florais de Matricaria recutita. Quanto à determinação de matéria orgânica estranha todas as cinco marcas excederam o teor máximo que consistiu principalmente de pedúnculos. Quanto ao teor de umidade a maior parte das marcas excedeu o teor máximo exigido. O principal fator que coloca as marcas analisadas fora dos padrões de qualidade exigidos pela Farmacopéia, 1996 é a quantidade de matéria estranha, o que indica a falta de padronização no preparo do fármaco vegetal, provavelmente durante o processo de coleta e seleção dos capítulos florais.

Palavras-chave: camomila, planta medicinal, controle de qualidade.

ABSTRACT: Due to its therapeutical importance, Matricaria recutita L. is one of the most used plants in the folk medicine. The quality of five different marks of camomila commercialized in the city of Itabira, MG, was tested in accordance with the official monograph of the plant in the Brazilian Pharmacopeia IV. Sensorial properties, macrocospic and microscopic botanical characteristics, determination of foreign matter, humidity rate and leached ashes were preceded. All the five marks had presented macrocospic and microscopical characteristics correspondent to the floral chapters of Matricaria recutita. All the marks exceeded the rates of foreign matter that consisted mainly of flower stalks. Most of the analyzed marks exceeded the maximum humidity level. The main factor that excludes the analyzed marks from the standards of quality demanded by the Pharmacopeia, 1996 is the amount of foreign matters that indicates the lack of standardization in the preparation of the plant probably during the process of collection and selection of the floral chapters.

Key-words: camomila, medicinal plant, quality control.

INTRODUÇÃO

Desde os primórdios dos tempos o homem usa o poder terapêutico das plantas medicinais com o objetivo de prevenir e curar doenças e aumentar as suas chances de sobrevivência. (MENEGHELLO et al., 2002; LORENZI & MATOS, 2002). O homem há milênios busca na natureza recursos para a cura de suas enfermidades e nesta perspectiva da pesquisa natural encontrou nas plantas naturais a fonte de seu poder curativo.

 Atualmente a utilização de plantas medicinais e produtos fitoterápicos encontra-se em expansão em todo o mundo (BRANDÃO et al., 1998) estimulada pelo crescente consumo de ervas para o preparo de infusões e para obtenção de produtos industrializados (MENEGHELLO et al., 2002).

O uso das plantas medicinais pela população mundial tem sido muito significativo nos últimos tempos. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que cerca de 80% da população mundial faz uso de algum tipo de erva na busca do alivio de algumas doenças e desse total, pelo menos 30% deu-se por indicação médica. A utilização de plantas medicinais é uma prática tradicional ainda existente entre todos os povos do mundo e tem inclusive recebido incentivos da própria OMS (MARTINS et al., 1998).

Grande parte dos países em desenvolvimento, dentre eles o Brasil, utiliza as plantas medicinais para tratamento de diversas doenças, pois o uso de plantas medicinais é mais acessível à população do que os remédios de farmácia. Por essas razões, novos estudos e o resgate do conhecimento popular das plantas, difunde-se cada vez mais (MARTINS et al., 1998).

O tratamento com as plantas medicinais demanda muito trabalho, persistência e confiança. Embora apenas uma pequena fração dessas plantas foi devidamente estudada, existe uma grande procura por esta modalidade terapêutica na busca de uma vida mais saudável e equilibrada (MEDEIROS & CABRAL, 2001). Mas muitos critérios devem ser observados antes de se utilizar uma planta, tais critérios referem-se à identificação das doenças, a escolha correta da planta a ser utilizada, a adequada preparação e dosagens corretas. (MARTINS et al., 1998).

A Matricaria recutita L. é uma planta pertencente à família Asteraceae, conhecida popularmente como camomila. Esta espécie é típica de clima temperado, nativa dos campos da Europa e aclimada em algumas regiões da Ásia e nos países latinos americanos. Foi introduzida no Brasil pelos imigrantes europeus há mais de cem anos (COSTA & FILHO, 2002; LORENZI & MATOS, 2002) e é também a espécie medicinal com a maior área de plantio e com maior envolvimento de pequenos produtores no país (CORRÊA JUNIOR & TANIGUCHI, 1992).

A camomila é uma planta herbácea, anual e aromática que apresenta flores reunidas em capítulos compactos, agrupados em corimbos, com as flores centrais amarelas e as marginais de corola ligulada branca. Os capítulos florais secos ao ar e conservados ao abrigo da luz são a parte da planta comercializada e usada para fins terapêuticos (LORENZI & MATOS, 2002).

Os capítulos florais da camomila contêm óleos essenciais e flavonóides e são utilizados na medicina popular, como tônico, carminativo, espasmolítico, antiinflamatório, digestivo, sedativo, estimulante do apetite, agindo também por via tópica como cicatrizante e no tratamento de cólicas de criança (LORENZI & MATOS, 2002; COSTA & FILHO, 2002). Industrialmente a camomila é usada para extração da essência que tem largo emprego como aromatizante na composição de sabonetes, perfumes, xampus e loções, bem como para conferir odor e sabor agradáveis a uma grande variedade de alimentos e bebidas (LORENZI & MATOS, 2002).

A atividade antiinflamatória está relacionada aos constituintes terpênicos encontrados no óleo essencial (sesquiterpenos, derivados do bisabolol) e lactonas guaianolídicas (procamazuleno), e o efeito espasmolítico aos compostos fenólicos (ROBBERS et al., 1996). O teor de óleo essencial dos capítulos florais pode variar de 0,3 a 1,5%, mas só são comercializados aqueles com teor mínimo de 0,4%, de acordo com a Farmacopéia Brasileira 4ª edição (1996).

Devido à sua importância terapêutica, a camomila consta em diferentes farmacopéias, inclusive a Farmacopéia, 1996 que apresenta sua caracterização organoléptica, morfológica e de constituintes químicos, além de ensaios de pureza e doseamento de óleo essencial, para avaliação farmacológica da planta (BRANDÃO et al.,1998 ).

Entende-se por qualidade o conjunto de critérios que caracterizam a matéria-prima para o uso ao qual se destina. Contudo, a qualidade das matérias-primas vegetais não garante, por si, a eficácia, a segurança e a qualidade do produto final. A segurança e a eficácia de um fitoterápico devem ser definidas para cada produto, pois dependem de diversos fatores, como a metodologia de obtenção dos extratos, a formulação e a forma farmacêutica do produto final, testes toxicológicos e clínicos, entre outros (FARIAS, 2004).

Os parâmetros da qualidade para fins farmacêuticos e o registro de medicamentos e fitoterápicos são, em princípio, estabelecidos nas Farmacopéias e Códigos Oficiais e são regulamentados atualmente, no Brasil, pela RDC nº 48, de 16 de março de 2004- ANVISA / MS (BRASIL, 2004). Já os alimentos, onde estão incluídos os chás são regulamentados atualmente pela RDC 277, de 22 de setembro de 2005- ANVISA/ MS (BRASIL, 2005). A camomila é uma das 34 plantas que constam na Resolução RE nº 89 de 16/03/04, “Lista de Registro Simplificado de Fitoterápicos”, determinando como forma de uso a tintura e o extrato, e indicada como antiespasmódico, antiinflamatório tópico, distúrbios digestivos e insônia leve.

Entretanto, a grande desinformação relacionada às plantas, além da má qualidade dos produtos consumidos e da precariedade dos produtos comercializados, vêm comprometendo a real eficácia e a segurança dos produtos fitoterápicos no Brasil (BRANDÃO et al.,1998).

Visando contribuir para a farmacovigilância deste setor, este trabalho teve como objetivo verificar se amostras de camomila procedentes de farmácias, ervanárias, mercados e feiras da cidade de Itabira-MG, destinadas ao preparo de chás, estão dentro dos padrões de qualidade exigidos pelos órgãos normativos.

» Clique aqui para fazer o download do artigo completo e continuar lendo.


Não encontrou? Pesquise abaixo!